Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, Geosaude- 2019

Tamanho da fonte: 
SANEAMENTO AMBIENTAL URBANO NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IVINHEMA – MATO GROSSO DO SUL – BRASIL, 2010
Camille Rodrigues Arce, Adeir Archanjo Mota, Sérgio Henrique Vannucchi Leme de Mattos

Última alteração: 2019-03-16

Resumo


O atual modelo de desenvolvimento sócio-econômico-político-cultural tem gerado crescente degradação ambiental e, consequentemente, afetado a qualidade ambiental e a saúde da população. Estes impactos ocorrem em grande medida devido à quantidade de resíduos sólidos e líquidos gerados e lançados no meio ambiente sem os devidos tratamentos, o que compromete a qualidade das águas superficiais e subterrâneas, do solo, do ar, a biodiversidade, inclusive a saúde humana. Com isso, o presente trabalho teve como objetivo diagnosticar o saneamento ambiental da Unidade de Planejamento e Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Ivinhema no ano de 2010. Para realizar este diagnóstico se utilizaram três indicadores de saneamento ambiental: cobertura de abastecimento de água da rede geral; lixo coletado; e, esgotamento sanitário. Através dos resultados percebeu-se que as coberturas pelos serviços de abastecimento de água e coleta de lixo no ano de 2010 tinham boa cobertura, no entanto em relação ao esgotamento sanitário notou-se que poucos recursos públicos foram investidos na UPG da Bacia Hidrográfica do Rio Ivinhema, apenas 7,65% dos setores censitários das residências estão ligadas a rede de esgotamento sanitário. Somente quatro cidades da UPG estudada possuíam mais de 80% de cobertura, demonstrando um significativo impacto ao meio ambiente.


Palavras-chave


Esgotamento sanitário. Saneamento Ambiental. Saúde Humana. Mato Grosso do Sul.

Texto completo: PDF